Blog da Dedeka

Voltar
12/11/2019

Mesada Educativa

Mesada Educativa

Dar ou não dar mesada para seus filhos? Esse é um assunto sempre muito controverso entre os pais. Há os incentivadores da prática e outros totalmente contrários a ela. Mesmo sendo imprescindível respeitar a opção e programação de cada família, existe uma questão muito relevante no tema: a mesada pode ser uma ótima oportunidade para dar noções de educação financeira às crianças. Isso porque não é só de porquinho que é feita a conscientização infantil sobre a importância de poupar e planejar.


A mesada educativa
Através da chamada mesada educativa, a criança aprende a reconhecer melhor o valor das coisas e do próprio dinheiro e passa a desenvolver uma relação com os gastos, estabelecendo prioridades e controlando impulsos. Além disso, as crianças tornam-se mais seguras e confiantes ao falar sobre dinheiro e, inclusive, estimulam o pensamento matemático.

Isso porque, neste método, a sugestão é correlacionar o recebimento da mesada ao cumprimento de uma rotina de compromissos firmados entre pais e filhos. Claro que você não deve atrelá-la a ações que devam ser realizadas por motivos maiores do que as finanças (como ser gentil com o próximo, emprestar os brinquedos para os amigos ou tirar boas notas). Afinal, a criança não pode associar tudo em sua vida a aspectos financeiros, já que seu caráter e sua personalidade também estão em formação.

Entretanto, estabeleça a troca monetária por tarefas, como ajudar a lavar a louça, arrumar o quarto, varrer a sala ou trocar o lixo. A não realização dessas atividades implicam em descontos na mesada. Ou seja, a ideia é mostrar que sempre haverá tarefas e afazeres na vida e que o não cumprimento delas pode prejudicar o ganho no fim do mês.


Estabelecendo o valor da mesada educativa
Uma dúvida muito comum é o valor que deve ser adotado para a mesada educativa. Isso se adapta muito a realidade de cada família, mas vale lembrar que a ideia não é usar o dinheiro para cobrir necessidades básicas. Por isso mesmo, o valor não precisa (e nem deve!) ser muito alto, até mesmo porque o conceito de escassez também se faz necessário.

Veja algumas dicas para estabelecê-lo conforme a idade:

De 3 a 5 anos: Por ser o primeiro contato da criança com o dinheiro, a ideia aqui é começar a habituá-la a esperar por determinado valor – ou seja, a quantia em si não é o aspecto mais importante. Procure definir que valor seria esse e uma data exata toda semana para o pagamento da semanada (que irá desenvolver os conceitos de recorrência e de previsibilidade junto à criança, já que a noção de tempo dos pequenos é diferente da nossa e pagamentos mensais dificilmente trariam essa percepção para elas). O valor aqui deve ser simbólico e pago em moedas mesmo.

De 6 a 10 anos: Até os 10 anos, a semanada deve prevalecer e você pode até aumentar um pouco o valor semanal, mas tente não ultrapassar os R$ 10,00/semana. A partir dos 6 anos, já é hora de ensinar a importância de se poupar dinheiro e de se criar uma reserva financeira para o futuro. Por isso, os pais devem estimular os filhos a definir um desejo específico e os ajudar a calcular quanto elas precisam guardar de suas semanadas para alcançar aquele objetivo.

De 11 aos 18 anos: Nessa faixa etária já é possível aumentar o senso de responsabilidade dos filhos e passar a trocar a semanada pela mesada, sempre estabelecendo uma data fixa no mês para que ela ocorra. O ideal é que essa mesada educativa para pré-adolescentes e adolescentes aumente gradativamente de acordo com a idade dos filhos, e que isso fique claro para eles desde o começo. Como aqui os filhos já estão em outro momento, o ideal é fazê-los aprender a separar determinado valor para objetivos de longo prazo (já traçando uma meta específica para isso) e outra quantia para planos de médio prazo. Ensine que o restante da mesada deve durar por 30 dias e, por mais difícil que seja, não acostume a criança com “reforços” ao longo do mês. Ou, em último caso, recorra ao conceito de empréstimo (e juros!),para que eles entendam a importância de controlarem seus gastos.

Faça a sua escolha
Administrar o próprio dinheiro é uma dificuldade enfrentada por muitas pessoas. Quando a educação financeira começa desde cedo, a probabilidade da criança se tornar um adulto mais bem resolvido com seus ganhos e objetivos e apto a fazer boas escolhas financeiras é muito maior. Avalie os prós e contras e ajuste com a sua realidade familiar. Faça a sua escolha e comprometa-se com ela!

Compartilhe nas Redes: